INADIMPLÊNCIAS NAS BIBLIOTECAS DO CCAE

Biblioteca de Rio Tinto

Na universidade, a preservação do conhecimento é uma das funções que menos mudam. Através dos séculos, o ponto focal da universidade tem sido a biblioteca, com o seu acervo de obras impressas preservando o conhecimento da civilização. Nos dias de hoje, esse conhecimento existe sob muitas formas: texto, gráfico, som, algoritmo e simulação da realidade virtual e, ao mesmo, ele existe literalmente no éter, isto é, distribuído em redes mundiais, em representações digitais, acessíveis a qualquer indivíduo.

No Campus IV, as bibliotecas de Mamanguape e Rio Tinto têm dado um suporte essencial para vida acadêmica dos universitários e professores. Ao mesmo tempo que existem os benefícios de empréstimos de livros aos alunos, as mesmas têm também sofrido com as inadimplências na entrega do livros.

Segundo Carlos Augusto Rolim, Coordenador das bibliotecas do CCAE, no ato do empréstimo é avisado à todos os usuários qual a data em que os livros devem ser devolvidos e/ou renovados. Da mesma forma, o próprio sistema envia mensagem para o e-mail pessoal do usuário cadastrado no SIGAA, com tais datas. Em caso de atraso na devolução do material, o usuário é multado automaticamente pelo sistema, com o valor de R$ 0,50 ao dia, por livro em atraso.

Atualmente, o CCAE conta com um total de 8 estagiários, 4 em cada biblioteca. E seguindo os dados gerados pelo SIGAA – módulo Biblioteca em 08/09/17, são 34 alunos que estão com empréstimos em atraso. O sistema considera as duas bibliotecas como uma única unidade. Vale salientar que existem alunos com inadimplência desde março de 2014. Uma observação importante é que as bibliotecas já registraram furtos de livros, complicando mais ainda a vida de quem quer ter uma chance de estudar com o item surrupiado.

Em relação ao atraso na devolução de livros e a ocorrência de furtos, é pertinente conscientizar a comunidade acadêmica sobre o uso coletivo desses materiais. Tratam-se de bens públicos, que foram adquiridos para o benefício de todos que deles necessitem. Não é justo, por exemplo, que um livro, muitas vezes necessário para o desenvolvimento de uma pesquisa ou para os estudos em uma prova, fique retido nas mãos de uma única pessoa por tanto tempo, como tem acontecido, ” afirma Carlos Augusto.

Muitas vezes a individualidade impede que outros possam ter em mãos materiais que o facilite a progredir na vida acadêmica. Tais ocorrências devem acabar. Alguns dos universitários precisam se atentar ao compromisso que têm no ato do empréstimo e entender tamanha idiotice egocêntrica em permanecer com os livros em atraso.

Biblioteca de Mamanguape
Biblioteca de Mamanguape

Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado.


*